A Folha quer mais Matemática e Português ou menos Sociologia e Filosofia?

Mais Matemática!!!É o que a Folha de SP quer….

1)Eis um editorial desta semana da Folha. Ele ataca um proposta em estudo pelo governo de SP para o Ensino Médio;

2)São bizantinas as discussões em Educação baseadas na quantidade de carga horária de disciplinas. É quase inegável o fato de que o raciocínio lógico e o domínio da língua (que NÃO SIGNIFICAM apenas Português e Matemática) são estruturantes;

3)Em linguagem raivosa (“repulsa”) opõe uma formação para universidade à uma formação o mercado. É outra bizantinice: ambas são possíveis, mas o foco não deveria ser formar para a vida social, que inclui a academia, o mercado e a vida?

4)”Conteúdo profissionalizante útil”, na linguagem quase obscena da burguesia quatrocentona disfarçada de mauricinhos modernosos que, com raras exceções infesta a redação do jornalão paulista, significa pedir como faz o editorialista raivoso, “menos sociologia” e “menos filosofia”. EIS O RETRATO NÍTIDO DE NOSSA IMPRENSA!!!

São Paulo, sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Editoriais

editoriais@uol.com.br

Mais matemática

Proposta, em estudo pelo governo de SP, de reduzir a carga horária de disciplinas fundamentais, como português, é equivocada

Causa repulsa o projeto, em estudo no governo de São Paulo, de reduzir a carga horária de português e matemática do ensino médio no Estado.

A proposta de reforma curricular teria como objetivo tornar a escola mais atraente, oferecendo aos estudantes a possibilidade de escolher uma área de especialização no último ano do curso secundário.

Além de se dedicarem com maior ênfase, nos meses finais de sua formação, ao estudo de ciências humanas, por exemplo, os alunos teriam acesso, ao longo de todo o ensino médio, a uma oferta maior de diferentes disciplinas -como sociologia, física e espanhol.

O projeto erra o diagnóstico. Um dos principais problemas no currículo do ensino médio é o excesso de tópicos disciplinares. Obriga-se o aluno a percorrer em velocidade uma extensa gama de assuntos. O resultado é muito tempo desperdiçado com conteúdo inútil e, do outro lado, conhecimento rarefeito de disciplinas estruturantes, como português e matemática.

Sem o domínio adequado do cálculo e da linguagem, aliás, o ensino dos demais conteúdos se torna ineficaz. É impensável que um estudante inábil ao lidar com os números ou incapaz de interpretar corretamente um texto possa tirar o proveito adequado de um curso de química ou de filosofia.

O que se vê hoje é um desempenho frustrante dos alunos nessas disciplinas. No ensino médio da rede paulista, 38% dos alunos ficam abaixo do esperado em português, e 58%, em matemática.

Tampouco o objetivo de tornar a escola mais “atraente” pode ser atingido com uma deficiência tão gritante em matérias básicas. Depois que o debate surgiu, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) já se disse contrário à diminuição das aulas dessas duas disciplinas fundamentais. Menos mal.

De fato, o ensino médio brasileiro falha gravemente ao propor uma única via para todos os estudantes. Ele funciona, na esmagadora maioria dos casos, como se todos os egressos estivessem apenas se preparando para cursar uma universidade depois. Deixa de atender às demandas profissionais de jovens que querem trabalhar no final da adolescência -o que estimula a evasão escolar.

Aumentar o conteúdo profissionalizante útil, em especial nos últimos anos do ensino médio, é portanto uma diretriz emergencial para a reforma do ensino dos jovens no Brasil. Mas, se alguma alteração vier a ser feita no currículo tradicional, deveria ser no sentido de reduzir a excessiva variedade de conteúdos e de reforçar a ênfase em cálculo e linguagem.

Menos “sociologia” e “filosofia”. Mais matemática e português.

Anúncios

Uma opinião sobre “A Folha quer mais Matemática e Português ou menos Sociologia e Filosofia?

  1. a veja deixou bem claro, ela não quer jovens pensantes, eu começaria fazendo a mudança no vestibular, deixando de tratar sociologia e filosofia como matérias secundárias, e as colocaria no mesmo nivel de física, quimica e biologia o que obrigaria também as escolas particulares a mudar sua grade escolar assim como os colégios estaduais,ai eu queria ver qual seria o argumento da veja, ai sim depois decisão eu mudaria a grade escolar diminuindo o número das ciencias inuteis e exatas, e colocaria mais ciências humanas na grade escolar, para o aluno sair do ensino medio com uma consciência politica e social muito grande, e daria também um foco mais geral e politica na geografia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s